'
"De repente você está assustado e não sabe o que te assusta"
Quando me percebo prestes a desmoronar, limpo o quarto, arrumo a cama, tiro os lixos jogados no canto do quarto, organizo todas as roupas por cor e me deleito arrumando a escrivaninha. Literalmente. E isso sempre funcionou, até que, finalmente, pude me ver no espelho e percebi: a verdadeira bagunça estava dentro mim. Desisti de dissimular. Vesti minha expressão de "hoje não" e decidi me dar um tempo: coloquei-me a assistir (pela milionésima vez) uns dos meus filmes preferidos e observar o que a minha personagem favorita faria - atitude bem madura, eu sei.
Nada, foi tudo que Holly Golightly fez. A casa estava uma zona,  os sapatos espalhados, o telefone, guardado e abafado para não lembrá-la, tão cedo, dos problemas que insistiam em chamá-la. Quando questionada, ela se justifica dizendo que já que ainda não encontrou a si mesma, não haveria razão para empenhar tempo em construir um lugar, físico, de morada permanente. E, confesso, ponto para você, Holly: a nossa primeira casa, é dentro de nós e de lá não há como fugir. 
"Não importa para onde você corra, você sempre vai acabar correndo para dentro de si mesmo."


Mas a gente foge: e como foge! Eu mesma, confesso, sou uma fugitiva assumida com radicalidade, mas fujo de outros, nunca de mim. Um passo além da conta e lá estou eu: fugindo para longe de quem quer que seja que tenha tido a valentia de se aproximar demais. E nisso, também, Holly me compreende muito bem. 
"Pessoas não pertencem a outras pessoas."

Poderia parar por aqui e concordar com todos os pensamentos - mundialmente glorificados- de Holly e assinar, definitivamente, minha carteirinha da pessoa mais cliché do universo. Mas tenho que dizer que, diferentemente de Holly, eu, ainda não tenho forças para ficar. Eu sempre chego perto de ficar. Sempre chego perto de ser maior que o medo de me perder. Sempre chego muito perto de, finalmente, aceitar que existe um lugar que me cabe e no qual eu esteja disposta a ficar, um lugar que valha a pena ser arrumado, organizado e trabalhado. Eu sempre chego muito perto, até perceber que ainda não. Ainda não encontrei esse lugar  que "eu não sei onde é, mas sei como é" e quando eu o encontrar, acredito (como Holly) que saberei reconhecê-lo. 



Ane Karoline






8 Comentários

Deixe um comentário

O tempo é maior presente que podemos dar à alguém: obrigada pelo seu. As palavras são afeto derretido, que tal deixar as suas? (Caso tenha um site, para que possamos presenteá-lo com nosso tempo,divulgue-o aqui). Forte Abraço.